O código dos Wooster

G. Wodehouse é um mestre do humor britânico. Refinado e profundamente inteligente, uma das suas mais carismáticas personagens é o mordomo Jeeves, “a gentleman’s personal gentleman”, que figura em mais de 40 novelas e contos publicados entre 1915 e 1974. Fleumático e perspicaz, resolve discretamente todas as embrulhadas criadas pelo seu amo Bertie Wooster, um cavalheiro inglês pouco arguto e com uma assinalável propensão para o desastre.

«O código dos Wooster» é a terceira novela em que figuram estas singulares personagens. Numa mansão senhorial inglesa reúne um grupo de figuras inesquecíveis que se envolvem em intrincadas peripécias pelos motivos mais inacreditáveis. Uma tia autoritária disposta a tudo para recuperar uma nateira em forma de vaca, um amigo disparatado que cria salamandras na banheira e corre o risco de perder a sua noiva, uma jovem inconsequente e estouvada que quer à força casar com o pároco. Cada trama se enreda nas restantes, resultando numa embrulhada deliciosa de equívocos.

«- Se não arranjas uma saída, parece-me que isto será o fim. É claro que ainda não tiveste tempo de assimilar bem o assunto. Enquanto janto, analisa-o mais uma vez de todos os ângulos. É possível que tenhas uma inspiração. As inspirações surgem de repente e quando menos se espera, não surgem? De jato, quero dizer.

– Sim, senhor. Dizem que o matemático Arquimedes descobriu o princípio da impulsão, certa manhã, quando estava no banho.

– Pois aí tens. E não me parece que ele fosse qualquer coisa de especial comparado contigo.

– Era um homem excecional, creio. Tem-se lamentado imenso que ele haja sido assassinado posteriormente por um soldado.

– Que pena. Mas, enfim, a carne é pó… não é assim que se diz?

– Sim senhor.»

Título: O código dos Wooster

Autor: P. G. Wodehouse

Editora: Livros da Raposa

Ano: 2007

Wooster

Anúncios