Coração das Trevas

Entre 1885 e 1908, o rei Leopoldo II da Bélgica controlou, a título privado, o denominado Estado Independente do Congo, uma situação sancionada internacionalmente graças a uma aparente filantropia. A suposta missão civilizadora e humanitária do rei encobria a exploração das matérias primas do território e as atrocidades cometidas sobre as populações indígenas, sujeitas a um regime cruel de trabalho forçado. Quando as cotas de borracha não eram atingidas, os trabalhadores nativos sofriam uma punição terrível: eram executados e as suas mãos cortadas como prova da sua morte, ou em alternativa decepavam as mãos das suas esposas e filhos, de tal forma que a recolha de mãos se terá transformado num fim em si próprio, justificando todos os excessos e barbaridades. Cerca de metade da população terá perecido durante este terrível período.

Joseph Conrad trabalhou naquele território enquanto capitão de um barco a vapor que navegava o rio Congo, onde assistiu em primeira mão a esta crueldade desmedida. A sua censura desta situação repugnante surgiu na forma de uma das obras maiores da literatura, «Coração das Trevas», uma pequena grande narrativa, escrita de forma sublime. A história companha a viagem do narrador, Marlow, capitão de um barco que sobe o rio em direção a uma estação de recolha de borracha. Ali reside uma figura carismática, Kurtz, um respeitado e bem-sucedido agente que reúne mais borracha do que os seus congéneres. Esta personagem idealizada de quem toda a gente fala com admiração acaba por fascinar Marlow, que aguarda com expectativa pelo seu encontro com um homem supostamente culto e civilizado que labora nos confins da selvajaria, mantendo a sua integridade e sanidade mental intactas. No entanto, quando finalmente o encontra, depara-se com a personificação de toda a violenta maldade contida no imperialismo elevado ao seu expoente máximo. «O horror, o horror».

NOTA: o extraordinário filme «Apocalipse Now» é inspirado no «Coração das Trevas», transpondo a ação para o contexto da Guerra do Vietname.

“You remember I told you I had been struck at the distance by certain attempts at ornamentation, rather remarkable in the ruinous aspect of the place. Now I had suddenly a nearer view, and its first result was to make me throw my head back as if before a blow. Then I went carefully from post to post with my glass, and I saw my mistake. These round knobs were not ornamental but symbolic; they were expressive and puzzling, striking and disturbing – food for thought and also for the vultures if there had been any looking down from the sky; but at all events for such ants as were industrious enough to ascend the pole”.

Título: Coração das Trevas

Autor: Joseph Conrad

Editora: Wordsworth

Ano: 1999

Edição portuguesa: Editorial Estampa

coração trevas