Nós

«Nós» é uma utopia negra injustamente pouco divulgada que precedeu e alegadamente inspirou obras bastante mais celebrizadas sobre o mesmo tema, o «Admirável Mundo Novo» e «1984». Tem a particularidade de ter sido a primeira obra literária a ser banida pela censura soviética, em 1921, quando o regime dava os seus primeiros passos. Ievgueni Zamiatine foi um autor excecional pela sua coragem e perspicácia que se viu forçado a abandonar a URSS por se ter incompatibilizado fortemente com um sistema político que não admitia qualquer censura ou análise crítica. Defensor inicial da revolução, acabou por vir a questionar a sua estupidificante pressão para a conformidade e a repressão da criatividade artística que sufocava a literatura.

«Nós» apresenta-nos um futuro distópico, no qual um regime totalitário e tecnologicamente avançado anulou a individualidade. O seu funcionamento baseia-se numa premissa brutal: a liberdade e a felicidade são incompatíveis, pelo que a primeira deve ser sacrificada em defesa de uma existência supostamente harmoniosa, matematicamente controlada, em que o indivíduo se dilui no todo e renuncia ao seu sentido crítico. As palavras que o narrador D-503 regista nas suas notas retratam uma tentativa nem sempre bem sucedida para se adaptar a uma existência forçadamente normalizada e aflitivamente claustrofóbica. O duelo interior que o atormenta, alimentado por uma parceira rebelde, acaba por se revelar perigosamente na sua vivência e as consequências não se fazem esperar.

“É muito estranho não ser possível encontrar maneira de curar esta doença dos sonhos ou de os tornar racionais… ou mesmo úteis, porque não?”

Título: Nós

Autor: Ievgueni Zamiatine

Editora: Antígona

Ano: 1990

Nós2