Cidades Rebeldes

Nesta obra interessantíssima, David Harvey, eminente geógrafo marxista, entende o capitalismo enquanto um sistema predatório e monopolista que deve ser desafiado na cidade, plena de desigualdades mas igualmente de potencial revolucionário. O proletariado tradicional está obsoleto na sociedade contemporânea, pelo que o grito de revolta emerge em novos e dinâmicos grupos sociais que constituem uma força politica inovadora. Em parceria com as organizações de esquerda mais tradicionais, estes grupos heterogéneos que ultrapassam os meros interesses de classe serão capazes de se mobilizar em função de uma luta comum, constituindo um movimento anti-capitalista ao nível da cidade. Quando organizados em rede abarcando diversas cidades em diversos países, estarão prontos para desafiar o sistema capitalista como um todo. O ponto de partida para o processo revolucionário reside então na reinvenção e reorganização das cidades para a luta anti-capitalista, o que implica formas alternativas de urbanização, que permanece um meio para a absorção dos excedentes do capital e do trabalho num contexto altamente especulativo.

Assim se resumem, mas não se esgotam, as ideias principais desta obra ainda por traduzir em Portugal. Uma leitura interessante para além do universo académico, dado que tem exercido uma influencia considerável ao nível das entidades e cidadãos que se mostram preocupados com os efeitos mais nefastos do sistema capitalista. Convém ter presente a afiliação marxista do autor, o que justifica algum apego à hierarquia e à ação institucional.

“The party’s favored slogans of freedom and liberty to be guaranteed by private property rights, free markets, and free trade actually translate into the freedom to exploit the labour of others, to dispossess the assets of the common people at will, and to pillage the environment for individual or class benefit”.

cidades

Título: Rebel Cities

Autor: David Harvey

Editora: Verso

Ano: 2012