Um dia na vida de Ivan Denisovich

Aleksandr Soljenitsin, vencedor do Prémio Nobel em 1970, conheceu pessoalmente os horrores dos campos de concentração soviéticos, os Gulag, onde foi condenado a passar vários anos. A sua experiência é retratada nesta obra singular inteiramente passada num único dia na vida de um prisioneiro detido por um regime totalitário desumanizador. Rodeado das personagens tipo que se poderiam encontrar neste contexto, do revoltado ao corrompido, as suas estratégias de sobrevivência são descritas de forma simples e direta, levando a refletir sobre o que resta de um homem num sistema que o procura anular. E o que sobra é a luta pela vida, na sua expressão mais básica, o cumprimento das tarefas diárias em condições extremas enquanto se procura maximizar os ganhos e reduzir as perdas.

É um dia vulgar, como tantos outros, sem nenhum acontecimento extraordinário a assinalá-lo. E como tudo é relativo, é um «dia bom» para alguém injustamente privado da sua liberdade num regime onde a justiça e a liberdade nada significam. Porque é bom chegar ao fim do dia vivo, quando mais nada nos é dado a esperar.

“Shukhov adormeceu completamente satisfeito, feliz. Fora bafejado por vários golpes de sorte durante aquele dia: não o haviam posto no xadrez; não tinham enviado a brigada para o Centro; surripiara uma tigela de kasha ao almoço; o chefe da brigada fixara bem as rações; construíra uma parede e tirara prazer do seu trabalho; arranjara aquele pedaço de metal e conseguira passa-lo; recebera qualquer coisa de Tsezar, à noite; comprara o tabaco. E não caíra doente. Um dia sem uma nuvem carregada, sombria. Quase um dia feliz”.

Título: Um dia na vida de Ivan DenisovichIvan Denisovich

Autor: Aleksandr Soljenitsin

Editora: Círculo de Leitores

Ano: 1974

Anúncios