Segredos obscuros

Sebastian Bergman, psicólogo criminal antissocial e amoral, perseguido impecavelmente pelos traumas do luto e da dor, é a personagem central da série policial da autoria da dupla de argumentistas suecos, Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt. «Segredos obscuros» inaugura a série com a investigação do homicídio macabro de um jovem de 16 anos que frequentava uma escola privada de grande reputação e prestígio. Caberá à equipa de investigação liderada pelo eficiente Torkel e assessorada pelo irrascível Bergman deslindar os segredos que se escondem por detrás de uma fachada de moralidade aparentemente inquestionável.

«Segredos obscuros» não desilude o apreciador de policiais nórdicos. Não sendo uma obra fabulosa de grandes aspirações literárias, cumpre na perfeição os requisitos do género em que se insere. O enredo é cativante e coerente e a escrita tem qualidade suficiente para produzir uma boa impressão no leitor mais exigente, que não se deixa convencer facilmente por reproduções de qualidade duvidosa.

“Sebastian Bergman era melhor do que aquilo. Mais do que qualquer outra pessoa, ele conhecia o significado dos sonhos; mais do que qualquer outra pessoa, tinha de conseguir elevar-se acima desses febris resquícios do passado”.

Título: Segredos obscuros

Autores: Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt

Editore: Suma

Ano: 2015

segredos.png

 

Anúncios

O monte dos vendavais

«O monte dos vendavais» é um retrato cruel de uma relação tóxica que nos leva a questionar a fina fronteira que separa a paixão da obsessão. Numa sociedade em que o estatuto social determina o percurso de cada indivíduo, Heathcliff não tem nome, parentes, passado, nenhuma referência que permita definir a sua condição. Foi acolhido por um rico proprietário rural que o encontrou, ainda criança, a vaguear pelas ruas. Na sua casa encontra os meios necessários para sobreviver e tem mesmo acesso a alguma educação, mas não descobre um lar. Pertence sem pertencer, constantemente humilhado pelo filho do seu benfeitor, que nunca o deixa esquecer a sua suposta inferioridade. É neste meio hostil que encontra a sua alma gémea, Catherine, filha do dono da casa. Caprichosa e instável, obstinada e destemida, é a sua companheira de aventuras até ao momento em que decide casar com um jovem do seu meio social. A vingança de Heathcliff irá perpetuar-se até à próxima geração, destruindo impiedosamente as vidas de todos os que de alguma forma se relacionam com o que considera ser a tragédia da sua vida, a perda do seu amor.

A linguagem é crua, apesar de bela, e não nos poupa aos pormenores mais desagradáveis e repugnantes. A violência física e psicológica é constante e afeta particularmente os mais vulneráveis, crianças, mulheres, doentes terminais. Não há barreiras morais que detenham a conduta de um homem que se alimenta do sofrimento alheio sem nunca se sentir plenamente saciado, pois aquilo que mais deseja está irremediavelmente perdido.

“He had an aversion to yielding so completly to his feelings, choosing rather to absent himself; and eating once in twenty-four hours seemed sufficient sustenance for him”.

Título: Wuthering Heights

Autor: Emily Bronte

Editora: Wordsworth Classics

Nota: Edição portuguesa da Presença

vendavais

O Primeiro Amor

Em «O primeiro amor», Ivan Turguénev regressa a um episódio marcante da sua própria adolescência, a paixão por uma vizinha um pouco mais velha, uma jovem nobre mas de escassos recursos que incentiva diversos pretendentes em caprichosos jogos de sedução. Nesta obra autobiográfica, a inocência platónica dos sentimentos do jovem apaixonado irá defrontar-se com uma descoberta perturbadora: a jovem é na realidade amante do seu pai, um homem casado que não admite divorciar-se nem assumir uma relação extraconjugal.

Mais conhecido pelo grande romance «Pais e filhos», que dá corpo ao niilismo da juventude russa da geração de 1860, Ivan Turguénev é um nome maior da literatura russa que exerceu considerável influência em outro grande escritor, Fiodor Dostoievsky. «O Primeiro amor» é uma obra bela e aparentemente simples, desprovida de conotações políticas mas plena de sentimento e emoção.

“Bruscamente, produziu-se aos meus olhos uma coisa inverosímil: o meu pai levantou o chicote, com que sacudia o pó da sua sobrecasaca, e ouviu-se uma chicotada brusca no braço nu de Zinaida. Foi a custo que me contive, que não soltei um grito; Zinaida estremeceu, olhou em silêncio para o meu pai e, levando lentamente o braço aos lábios, beijou o vermelhão que o chicote deixara”.

Título: O primeiro amor

Autor: Ivan Turguenév

Editora: Relógio d’Água

Ano: 2008

 

Amor

Um morto a mais em Resurrection Row

Anne Perry é uma escritora bastante produtiva que se dedica essencialmente à literatura policial de época. A série «Thomas Pitt», iniciada em 1979, foi o seu primeiro empreendimento e conta já com 30 títulos. A ação decorre no final da era vitoriana e cada livro acompanha a investigação de um crime pelo perspicaz inspetor Thomas Pitt, um homem competente de origens modestas que casou acima da sua classe num meio extremamente hierarquizado. Esta situação invulgar permite-lhe recorrer ao apoio da sua incansável esposa Charlotte, uma mulher inteligente e empreendedora que nos bastidores das classes mais abastadas recolhe subtilmente informação dificilmente acessível a um mero policial. Para além da trama policial, invariavelmente bem engendrada, o leitor encontra em cada livro um retrato pormenorizado e fiel de uma sociedade extremamente moralista, desigual e estratificada, na qual as diferentes classes sociais coexistem sem verdadeiramente interagir. A brutalidade da indigência elevada ao seu máximo expoente, numa sociedade pobre em direitos humanos e mecanismos de proteção social, choca ainda mais o leitor quando confrontada com o luxo extravagante dos privilegiados, que nem por isso estão imunes à corrupção, ganância, inveja e ciúme, motivações que frequentemente se escondem por detrás dos homicídios investigados.

«Um morto em Resurrection Row» é o quarto título da série e apresenta um intrincado e fascinante mistério. O cadáver de um lorde, recentemente falecido e devidamente sepultado, teima em aparecer nos locais mais estranhos, sem que se perceba a motivação de quem executa o ato macabro de desenterrar e expor um cadáver. Caberá ao perplexo inspetor Pitt deslindar discretamente o enigma, sem ferir a suscetibilidade de famílias proeminentes que não admitem qualquer intrusão na sua privacidade.

“Já ouvira falar de profanação de sepulturas, de roubo de cadáveres. Agora, porém, aperceba-se de que aquele homem extraordinário pensava que talvez fosse pessoal, deliberadamente dirigido contra Augustus… ou até contra ela!”

Título: Um morto a mais em Resurrection Row

Autor: Anne Perry

Editora: Gótica

Ano: 2005

row

A conferência dos pássaros

Farid Ud-Din Attar figura como um dos maiores sufis de todos os tempos, apesar de pouco se saber a seu respeito. Nascido no Iraque no século XII, foi um grande viajante, místico, poeta e ervanário. Terá vivido mais de 100 anos, tendo supostamente perecido às mãos dos invasores mongóis.

«A conferência dos pássaros» é a sua obra maior. É uma alegoria profundamente espiritual com passagens de grande beleza que retrata a viagem de 30 pássaros, sob a liderança de uma Poupa, em busca de uma ave lendária, o Simurg, que representa Deus. Ao longo do percurso os pássaros enfrentam os terríveis desafios dos seus próprios receios e limitações, materializados em sete vales: o Vale da Busca, o Vale do Amor, o Vale da Compreensão, o Vale da Independência e do Alheamento, o Vale da Unidade Pura, o Vale do Espanto, o Vale da Pobreza e do Nada. Os que se superam chegam ao seu destino para descobrir a presença do divino em si próprios. A purificação interior produzida ao longo do percurso liberta a alma aprisionada, possibilitando a tão desejada união mística.

“-Diz-me, ´tu, que és famosa no mundo inteiro, que devo fazer para que me sinta contente nesta viagem? Se mo disseres, a minha mente sentir-se-á mais aliviada, e estarei disposto a deixar-me conduzir nesta empresa. Com efeito, a direção é necessária para que não nos deixemos tomar pela apreensão. E como só desejo aceitar a direção do mundo invisível, rejeito, com boas razões, a falsa direção das criaturas terrenas”.

Título: A conferência dos pássaros

Autor: Farid Ud-Din Attar

Editora: Marcador

Ano: 2013

Pássaros

Nós

«Nós» é uma utopia negra injustamente pouco divulgada que precedeu e alegadamente inspirou obras bastante mais celebrizadas sobre o mesmo tema, o «Admirável Mundo Novo» e «1984». Tem a particularidade de ter sido a primeira obra literária a ser banida pela censura soviética, em 1921, quando o regime dava os seus primeiros passos. Ievgueni Zamiatine foi um autor excecional pela sua coragem e perspicácia que se viu forçado a abandonar a URSS por se ter incompatibilizado fortemente com um sistema político que não admitia qualquer censura ou análise crítica. Defensor inicial da revolução, acabou por vir a questionar a sua estupidificante pressão para a conformidade e a repressão da criatividade artística que sufocava a literatura.

«Nós» apresenta-nos um futuro distópico, no qual um regime totalitário e tecnologicamente avançado anulou a individualidade. O seu funcionamento baseia-se numa premissa brutal: a liberdade e a felicidade são incompatíveis, pelo que a primeira deve ser sacrificada em defesa de uma existência supostamente harmoniosa, matematicamente controlada, em que o indivíduo se dilui no todo e renuncia ao seu sentido crítico. As palavras que o narrador D-503 regista nas suas notas retratam uma tentativa nem sempre bem sucedida para se adaptar a uma existência forçadamente normalizada e aflitivamente claustrofóbica. O duelo interior que o atormenta, alimentado por uma parceira rebelde, acaba por se revelar perigosamente na sua vivência e as consequências não se fazem esperar.

“É muito estranho não ser possível encontrar maneira de curar esta doença dos sonhos ou de os tornar racionais… ou mesmo úteis, porque não?”

Título: Nós

Autor: Ievgueni Zamiatine

Editora: Antígona

Ano: 1990

Nós2

 

O triunfo de César

A série Roma Sub-Rosa, de Steven Saylor, acompanha as aventuras de Gordiano, o descobridor, e conta já com 15 títulos. Gordiano é uma personagem cativante, um detetive moderno que investiga intrincados mistérios nos últimos tempos da República Romana e nos concede a sua visão de uma sociedade fascinante que esteve na origem direta daquela em que vivemos hoje. Casado com uma antiga escrava egípcia e pai de quatro filhos, três deles adotados, investiga casos complicados de inspiração real a pedido de clientes abastados, alguns deles célebres.

Personagens marcantes atravessam-se no seu caminho, como Cícero, Catilina, Pompeu, Marco António. Em «O Triunfo de César», Gordiano investiga uma possível conspiração contra Júlio César a pedido de Calpúrnia, sua esposa. Os meandros das ferozes intrigas políticas revelam-se fatais num momento determinante da história romana, quando o ambicioso Júlio César dá o golpe de misericórdia na república e estabelece as bases do que virá a ser o império romano. Um interessante enredo policial, leve e descomprometido, que nos permite conhecer um pouco melhor um momento determinante da nossa história.

“Em circunstâncias normais, uma respeitável figura pública como Cícero não se gabaria de a filha estar prestes a dar à luz sem estar casada. Mas as circunstâncias tinham deixado de ser normais; vivíamos num mundo em que Calpúrnia consultava um adivinho e Cícero se tinha casado com uma adolescente desenxabida”.

Título: O triunfo de César

Autor: Steven Saylor

Editora: Bertrand

Ano: 2008

césar